terça-feira, 20 de fevereiro de 2024

"Nossos filhos nos esquecerão" Emocionante reflexão que falará ao coração de todas as mães.

"O tempo, pouco a pouco, me liberou de ter filhos pequenos. Das noites sem dormir e dos dias sem repouso. Mas não fez esquecer das mãos gordinhas que me agarravam sem parar, subiam no meu pescoço, me agarravam, me conquistaram sem restrições e sem duvidar. Dos corpinhos que encheram meus braços e dobraram minhas costas. Das muitas vezes que me chamavam e não permitiam atrasos, espera, nem vacilações.
O tempo há de me devolver o ócio dos domingos e das chamadas repetidas de ‘mãe, mãe, mãe…’, que deram-me o privilégio e afastavam o medo da solidão. O tempo talvez alivie o peso da responsabilidade que me oprime o peito. O tempo, sem embargo, inexoravelmente esfriará outra vez minha cama que já esteve quente de corpos pequenos e respiros apressados. Esvaziará os olhos dos meus filhos que transbordaram um amor poderoso e incontrolável.
Mas o tempo tirará de seus lábios meu nome que fora gritado e cantado, chorado e pronunciado cem, mil vezes. Cancelará, pouco a pouco, a intimidade da sua pele com a minha e a confiança absoluta que nos fez um único corpo, com o mesmo cheiro, o mesmo espírito e coragem.
O Tempo separou, para sempre, o pudor e a vergonha com o prejulgamento da consciência adulta de nossas diferenças. Como se fosse um rio que escava o seu leito, o tempo colocará em risco a confiança de seus olhos em mim, como se eu já não fosse uma pessoa onipotente, capaz de parar o vento e acalmar o oceano, regular o não regulável e curar o incurável.
Deixarão de me pedir ajuda, porque não acreditarão mais que eu possa salvá-los. Pararão de me imitar porque não desejarão mais se parecer comigo. Deixarão de preferir a minha companhia pelas dos outros (e, olhe, tenho que buscar preferir outras companhias também).
Foram-se as paixões, as raivas passageiras e o zelo, o amor e o medo. Apagaram-se os ecos dos risos e das canções. O acalanto e os ‘Era uma vez…’ hoje ecoam na eternidade. Porque, com o passar do tempo, meus filhos descobriram que tenho muitos defeitos e, se eu tiver sorte, algum deles me perdoará.
Sábio e cínico, o tempo fará com me esqueçam. Esquecerão ainda que não queiram. Esquecerão as cócegas e o ‘corre-corre’, os beijos nas pálpebras e os choros que, de repente, cessavam com um abraço. As viagens e os jogos, as caminhadas e a febre alta. As danças, as tortas, as carícias enquanto dormiam.
Meus filhos se esquecerão que os amamentei e os protegi durante um tempo até que o sono chegasse; que lhes dei de comer, que os consolei e os levantei quando caíram. Esquecerão que dormiram sobre meu peito; que houve um tempo em que necessitaram tanto de mim como o ar que respiram. Esquecerão, porque isto é o que fazem os filhos, porque é isso que o tempo faz. E eu, eu tenho que aprender a recordar esse tempo também por eles, com ternura e sem arrependimentos, sem cobranças e com imensa gratidão! E que o tempo, astuto e indiferente, seja amável com esta mãe que não quer esquecer seus filhos."

Texto de autoria desconhecida, quem souber, avise-nos por favor, para darmos os devidos créditos ao autor.
Imagem: Foto Pessoal.
Fonte da Pesquisa: Revista Pazes.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

15 atitudes que contribuem para a saúde mental dos filhos.

"Os sujeitos são cada dia mais compreendidos como influenciados pelo que está na sociedade, bem como também são formadores desse meio social que os afeta. As experiências culturais e as interações familiares são bons exemplos desses constituintes sociais. Os pais podem contribuir ricamente para a saúde mental dos filhos, agindo no intrapsíquicodeles. O jornal eletrônico El País recentemente entrevistou o educador Rafael Guerrero Tomás, doutor em Educação e especialista em transtorno por Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), transtornos da aprendizagem e transtornos de conduta. Segundo ele, é importante que atendam-se quinze necessidades para que os pequenos tenham uma boa saúde mental. E tal pensamento é extensivo a todos os que têm alguma criança ou algum adolescente sob seus cuidados, como parentes e professores. Tais cuidados são inclusive adequados a contextos particulares, aos portadores de necessidades especiais, sejam elas físicas, psicológicas ou cognitivas.
Para iniciar a conversa, um aspecto fundamental deve ser considerado: o ser humano tem dificuldade de separar desejos (aquilo que se quer) de necessidades (aquilo de que precisa). Essa confusão, que aparentemente mostra-se boba, gera pensamentos enganosos do tipo “Preciso daquele emprego para realizar-me”, “Só casando serei feliz” ou mesmo “É imprescindível que eu vá para o carnaval da Bahia”. Ok, a sua vontade de cair na gandaia em Salvador pode estar latente, mas isso está longe de ser uma necessidade, algo que seja básico para a sua sobrevivência. Em grande parte do nosso cotidiano estamos saciando vontades, usufruindo coisas supérfluas cuja falta não nos ameaçaria a sobrevivência.
Uma teoria amplamente aceita no mundo para entender o princípio da necessidade é a Pirâmide da Hierarquia de Necessidades de Abraham Maslow. Ela trata da hierarquização das necessidades humanas vitais, ou seja, as condições necessárias para que cada ser humano atinja a sua satisfação pessoal e profissional. As necessidades são interdependentes e vão desde as mais básicas e instintivas (as biológicas, como: a fome, a sede, a respiração, a excreção, o abrigo, o sexo, o descanso) até as mais complexas e menos instintivas (as psicológicas, como: o indivíduo focado, persistente, que faz o que ama, independente e com autocontrole de suas ações).

O apanhado das estratégias para ajudar os pais a educar sadiamente e contribuir com a saúde mental dos filhos foi feito com a intenção de conscientizar e trazer o conhecimento sobre as reais necessidades de crianças e adolescentes. Não é para causar angústia. E no caso dos pais perceberem que até agora não fizeram isso ou que não o fizeram suficientemente, aconselha-se tentar fazer de agora em diante, pois certamente quanto mais necessidades forem atendidas é melhor para os pequenos.

Eis as quinze atitudes que contribuem para a saúde mental dos filhos (crianças e adolescentes):

1) Demonstrar carinho: Dizer diariamente o quanto ama o filho, que senti orgulho ou saudades. Não basta pensar. Diga! Isso fortalece a autoestima.

2) Ensinar a regular as emoções: Os pais precisam ensinar os filhos a identificar e a gerir as emoções, para que na idade adulta possam se autorregular emocionalmente. É necessário antes que os pais saibam como regular as próprias emoções para que possam ensinar isso aos filhos. Buscar ajuda profissional, se necessário for.

3) Tempo com qualidade e quantidade: A ideia de que crianças precisam de pouco tempo de qualidade dos pais é falsa. Elas precisam de muito tempo de convivência ( ou seja, quantidade), e com dedicação máxima (ou seja, qualidade).

4) Oferecer a eles contextos de segurança e de proteção: Proteger os filhos quando sentem medo, temor, raiva, tristeza ou alguma emoção desagradável com a qual não saibam lidar sozinhos é função dos pais.

5) Sintonia emocional: Consiste em estar receptivo diante das necessidades da criança. É estar conectado com as emoções dos filhos, compreendê-las e legitimá-las. Exemplo: sempre que o filho mostrar seu medo e raiva diante de uma situação concreta, o pai precisa compreender e atender o que se passa com seu filho, estando receptivo, ajudando a compreender o sentimento e a como lidar com ele.

6) Responsividade: Consiste em dar à criança o que ela precisa. Não consiste em realizar seus caprichos, mas em realizar e cobrir suas necessidades. Exemplo: Se diante de um relato angustiado do filho de desentendimento dele com um colega, os pais dizem que não enrole mais e vá fazer a lição de casa que é o que importa, esses pais não estão sendo responsivos, não estão atendendo uma necessidade dele.

7) Assumir o papel que corresponde como pais: Os pais devem assumir o papel de pais de fato na vida dos filhos, e não o de amigos complacentes ou de criados subservientes.

8) Estabelecer limites claros: Uma das obrigações dos pais é implantar uma série de normas e limites no contexto familiar. Os filhos precisam de regras. Quando limites são estabelecidos e explicitados aos filhos, é como dizê-los “Amo você” e “Cuido de você”.

9) Respeitar, aceitar e valorizar: Quando há respeito e aceitação reais, os pais aceitamos filhos como são e os avaliam positivamente. Então precisam demonstrar que esse amor é incondicional e não depende de algo para existir, como resultados acadêmicos positivos ou bom comportamento, por exemplo. Essa valorização determinará a autoestima no futuro.

10) Estimulação suficiente e adequada: Hoje sabe-se que bebês não precisam de estímulos muito constantes, pois para que desenvolvam-se plenamente basta viver em um ambiente seguro e lúdico, assim como crianças precisam de uma estimulação suficiente e adequada na educação. Passado esse mínimo de estimulação cognitiva, não há maiores aprendizagens, mas exatamente o contrário – exigências e estresse. Não adianta hiper estimular os filhos na esperança de que desenvolvam-se intelectual mente acima da média.

11) Favorecer sua autonomia: Isso acontece quando se estimula a curiosidade, a independência, o espírito aventureiro (natural nas crianças) e inovador dos filhos.

12) Sentido de pertencimento: O ser humano precisa se sentir parte de um grupo. É importante que os filhos pertençam a, no mínimo, um grupo, se não de mais. Deve-se trabalhar para favorecer o âmbito social, pois isso reverbera no processo da educação formal institucional. É comprovado que crianças vítimas bullying geralmente não pertencem a nenhum grupo na escola.

13) Favorecer a capacidade reflexiva da criança: É importante que ajude-se os filhos a aprender a pensar sobre as emoções que sentem, o que pensam, como se comportam, como vivemos, como progredimos, o que nos acontece etc.

14) Identidade: Favorecer nas crianças a identidade própria que diferencia-as do restante das pessoas, e que quando bebês não tínhamos em relação às nossas mães, que eram imaginadas como uma extensão.

15) Magia: Tudo o que tem a ver com a magia, o oculto, o divino e o fantasioso é algo que cativa todas as crianças e serve como um mecanismo de defesa. O mistério significa algo que “encanta” as crianças. Infelizmente os adultos afastam-se desse lado fantasioso e lúdico, o que pode restringir seus universos emocional e criativo mais tarde. Quer um filho amante da arte, da cultura e do conhecimento? Começar embarcando no universo fantástico dos pequenos é uma boa partida. " 

“É possível educar contribuindo para a saúde mental dos filhos."

Fonte da Pesquisa : Site A Soma de todos Afetos.
https://www.asomadetodosafetos.com/
Imagem: Foto pessoal.

“Amar os filhos não é aceitar tudo. É também saber dizer ’não’, "diz Mario Sergio Cortella.

"Em um vídeo postado no Youtube, entitulado “O amor aceita tudo?”, o filósofo Mario Sergio Cortella cita um treho que consta no livro Educação, convivência e ética: audácia e esperança – que diz que amar é também saber dizer não.

O trecho diz assim:

Aceita-se hoje, com a maior facilidade, o que chamo de ética da conveniência. “Bom é tudo aquilo que me favorece. O que não me favorece considero ruim”. Em vez de termos valores de conveniência que sejam sólidos, menos superficiais, portanto, menos cínicos, há uma hipocrisia que leva a esquecer que ética não é cosmética. Não é efeito de fachada.
Nessa hora, costumo lembrar um alerta valioso feito pelo Corpo de Bombeiros: nenhum incêndio começa grande, e sim com uma faísca, uma fagulha, um disparo. Isso se aplica ao campo da ética. O apodrecimento dos valores éticos positivos se inicia também com pequenos delitos, infrações, aceitações, conivências.
 
Assista o vídeo:
A ética do amor não é a ética da conveniência em que as coisas valem a partir de qualquer momento, mas uma ética que é capaz, também de dizer ’não’ ao que tem que ser recusado.”
A expressão ‘o amor aceita tudo’ é absolutamente antiética e antipedagógica.

A PESSOA CAPAZ DE AMAR É AQUELA QUE RECUSA AQUILO QUE FAZ MAL, POR ISSO UM PAI E UMA MÃE NÃO PODE JAMAIS DIZER AO FILHO ‘É PORQUE EU TE AMO, ENTÃO TUDO ACEITO’.

É exatamente o inverso: porque eu te amo é que eu não quero que você use drogas ilegais; é porque eu te amo que eu quero que você seja decente; é porque te amo que eu não quero que você banalize a sua sexualidade livre e bonita; é porque eu te amo que eu quero que você tenha esforço na sua produção e é porque você me ama que eu quero que você, meu filho, minha filha, me adverte, também me apoia, também me corrige naquilo que eu estiver equivocado.
Essa relação de cuidado mútuo, só nos faz crescer.
Por isso esse exemplo do cotidiano tem que aparecer como sendo a recusa com qualquer situação.
 A ética do amor não é a ética da conveniência em que as coisas valem a partir de qualquer momento, mas uma ética que é capaz, também de dizer ’não’ ao que tem que ser recusado.”
(Mario Sergio Cortela)
sábado, 6 de janeiro de 2024

Elogios que podem fazer mal para seus filhos.

 “Em uma postagem realizada no site Família, a jornalista Marcia Denardi abordou os aspectos negativos que os elogios podem ter nas relações familiares.

A palavra elogio, que originalmente nos remete a uma conotação positiva e relacionada a reconhecimento e incentivo, influenciando na estima e formação da personalidade das crianças, se usado de forma exagerada ou não verdadeira pode transmitir mensagens contrárias e que as crianças, embora você ache que não, percebem e sentem facilmente. A criança perceberá o que lhe é passado em todo contexto (tom de voz, expressão facial, assim como também pode perceber cobranças implícitas ou mesmo um excesso de vaidade dos pais). Crianças são especialmente sensíveis as palavras “não ditas” também!

Transcrevo abaixo os 5 elogios que, se mal usados, podem fazer mal a seus filhos

1. “Você é a criança mais linda que existe”

Não importa qual rótulo você vai empregar para elogiar a criança, pode ser ‘linda’, ‘inteligente’ ou ‘melhor’. De qualquer modo, quando você diz que seu filho é mais do que os outros, além de acreditar de fato que é, a criança vai se sentir na obrigação de superar os outros sempre, e vai passar a vida disputando. Pessoas assim normalmente são arrogantes. E se aparecer outra pessoa considerada ‘mais’ do que ela, ou simplesmente for elogiada na sua frente, a frustração vai bater de frente, assim como a inveja.

2. “Parabéns, parabéns e parabéns”

A palavra está escrita três vezes porque está conotando o excesso. Ou seja, muitas vezes os pais dizem parabéns por qualquer coisa que o filho tenha feito. A criança provavelmente vai crescer esperando que seu trabalho e suas realizações sejam sempre ser reconhecidos. Quando não forem, pode surgir desânimo e revolta com as pessoas.

3. Elogios artificiais

Muitos pais elogiam as crianças por algo que tenha feito, mas nem sabem direito do que se trata. Por exemplo: a criança vem com um desenho, e os pais ocupados com outras coisas, dizem “lindo”, mas na verdade nem olharam para o desenho. A criança não é boba. Ela percebe quando o elogio não é de coração.

4. Elogios mal intencionados

Outra tática comumente usada pelos pais é embutir uma cobrança no elogio. Por exemplo: “você é uma menina tão querida, então não brigue com seu irmão”. Elogios como esses, na verdade, manipulam a criança, que se sente na obrigação de fazer o que os pais ordenam. Os elogios devem ser espontâneos.

5. “Você é muito inteligente”

O problema desse elogio não está no elogio em si, mas sim no rótulo. Quando você elogia demais a pessoa por ser inteligente, por exemplo, ela pode subentender que jamais poderá fracassar, então não vai tentar fazer nada muito além de suas capacidades, para não correr o risco de as pessoas acharem que, afinal, ela não é tão inteligente assim. O correto seria elogiar o esforço da pessoa naquele momento, por exemplo: “Nossa! Como você se esforçou para essa prova. Parabéns!”.

Especialistas apontam que muitos pais elogiam com a intenção subliminar e indireta de fazer cobranças aos filhos. Outros, com o intuito de elevar a auto-estima, jogam a criança lá em cima, despejando excesso de adjetivos. Corrija suas atitudes e contribua para a formação de um adulto equilibrado.”

“Nota da CONTIoutra: Como devem ter percebido, o problema enfatizado no artigo não é o elogio em si e sim a maneira como ele pode ser utilizado. Bom senso sempre será a melhor medida. Todas as frases descritas acima não são negativas, desde que usadas de maneira sincera e nos contextos corretos.”

Fonte da Pesquisa: A Soma de todos afetos.
Site: https://www.asomadetodosafetos.com/
Imagem: Foto pessoal.

Durante programa de TV menino revela que se sente odiado pela mãe e descreve o pai como assustador.

 “Vídeo de garoto sul-coreano de 3 anos emociona as redes sociais. Durante o programa de televisão 'My Golden Kids', o garoto revela que se sente odiado pela mãe e descreve o pai como assustador. O vídeo mostra o menino brincando sozinho em seu quarto, sem a presença dos pais. Emocionado, ele expressa o desejo de ser chamado pelo pai de forma carinhosa. O momento também revela a tristeza do garoto ao afirmar que acredita que sua mãe não gosta dele. Nas redes sociais, o vídeo recebeu muitos elogios pela capacidade do garoto de expressar seus sentimentos, mesmo sendo tão jovem. “

 
"O pequeno Geum Ji Eu, de apenas três anos, desabafou em um reality show sul-coreano chamado ‘My Golden Kids’ ao ser questionado sobre o relacionamento que tem com os pais. Em um dos momentos, o menininho chega a chorar dizendo que acha que a mãe ‘não gosta dele’.
Vários trechos do episódio 169 viralizaram entre esta semana e anterior nas redes sociais e sensibilizaram os internautas. No programa, que oferece dicas de especialistas para pais com dificuldades, é mostrado um pouco da rotina do garoto, que fica a maior parte do tempo sozinho, com os pais, quase sempre ausentes e quando estão em casa, dão atenção ao segundo filho que ainda é um bebê.

Críticas da mãe:

O mais comentado é de uma entrevista, em que o garotinho é perguntado de ‘quem gosta mais, o pai ou a mãe’, e Geum diz não saber, pois fica muito tempo sozinho em casa e nunca tem companhia para brincar. Em certo momento, o menino diz sentir medo do pai porque ‘é assustador quando ele fica bravo’. Triste, a criança diz que gostaria que o pai lhe chamasse por apelidos carinhosos.
Já ao falar da mãe, ele diz: ‘acho que ela não gosta de mim’. Logo depois, ele começa a chorar, pede um minuto à produção e desabafa dizendo que não se sente ouvido pelos pais.
Ainda durante o episódio, mostra a mãe dizendo palavras duras ao menino e sobre a sua inteligência e aparência. Em um deles, a mulher questiona se ele gosta mais de ‘coreano, matemática ou artes’, entretido com o desenho, ele responde: “de fazer desenho”. E ela o responde com dureza: “Você não parece ser bom em estudar”.
Depois disso, ela pergunta se ele estudará em uma escola de artes, porém, antes de Geum responder ela o interrompe afirmando que “garotos que são de escolas de arte precisam ser bonitos e que ele não era” e por este motivo ele não poderia ser um “garoto das artes”. As ações dos pais chocaram os apresentadores que reagiram: “ele só tem quatro anos”.
Ao longo dos episódios, também é mostrado a evolução da família depois de receberem uma intervenção profissional e o final é feliz. Os pais, em especial, a mãe, passam a dar mais atenção a Geum e incentivá-lo. O resultado é muito positivo e o garotinho volta a sorrir.
Em um momento, a mãe pergunta como ele se sentia quando ela estava muito cansada do trabalho e não conseguia brincar com ele. Ele responde com sinceridade que ficava triste. Ela, então, informa a ele que irá mudar e que vai tentar dedicar um tempo maior para a criança.
“Geum, a mamãe não te odeia. Se te fiz pensar isso, lamento profundamente. Vou tentar te dar mais amor e brincar mais com você. Eu te amo”, a mãe relata em entrevista.”

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Página no Facebook.